Mais do que você gosta.

Publicidade

Nos quadrinhos

Capitã Marvel se torna a maior dos Vingadores – mas de forma nojenta

No cinema, a personagem é interpretada por Brie Larson

Publicado por Victor Carvalho

28/06/2022 22:00

Poucos heróis são mais poderosos que a Capitã Marvel, que talvez seja a Vingadora mais forte da equipe, e embora seu nível de poder básico seja astronômico, sua forma mais forte faz da Capitã Marvel a Vingadora definitiva, embora essa transformação seja bastante nojenta.

Carol Danvers se tornou a Capitã Marvel depois que ela ativou seus poderes latentes transmitidos a ela pela herança Kree de sua mãe. 

Continua depois da publicidade

Uma vez que suas habilidades sobre-humanas se revelaram, Carol ganhou a habilidade de voar, disparar rajadas de fótons e sobreviver em qualquer ambiente em todo o cosmos. 

Enquanto muitas das aventuras heróicas da Capitã Marvel acontecem nos confins do espaço, quando ela está na Terra, ela é um membro valioso dos Vingadores e tem sido um membro consistente por muitos anos. 

No entanto, em uma de suas histórias mais sombrias, a Capitã Marvel é forçada a matar os Vingadores para salvar a vida de várias pessoas inocentes, uma chocante cadeia de eventos que a leva a passar por uma metamorfose incrivelmente poderosa e nojenta.

Em Captain Marvel #16, Capitã Marvel enfrenta o vilão cósmico Vox Supreme depois que ela completa sua desprezível missão de matar todos os membros dos Vingadores, pelo menos é o que Vox Supreme pensa. 

No início desta história, Vox Supreme sequestra a Capitã Marvel e a força a usar um traje de simbionte que rastreia todos os seus movimentos. 

O objetivo do traje é garantir que a Capitã Marvel mate os Vingadores, porque se ela não o fizer, Vox detonará bombas em campos de refugiados Kree em todo o mundo. 

Mesmo que pareça que as mãos da Capitã Marvel estão atadas, ela ainda consegue bolar um plano para salvar a todos e derrotar Vox Supreme. 

A Capitã Marvel luta contra todos os Vingadores cara a cara, depois traz seus corpos inconscientes para uma dimensão de bolso onde eles não podem ser localizados por Vox Supreme. 

Ela então entrega os clones desativados dos Vingadores para Vox sob o disfarce de seus cadáveres reais. 

O plano funciona com perfeição, pois Vox Supreme não suspeita de nada, mas infelizmente para Carol, seu plano pode funcionar um pouco bem demais.

A razão pela qual Vox Supreme quer os corpos dos Vingadores é para que ele possa copiar seus poderes e usar seu DNA para criar uma super raça de formas de vida sobre as quais ele governaria como seu deus. 

Quando ele tem todos os Vingadores “mortos” conectados ao seu dispositivo que criaria esse soro antinatural, Vox Supreme então prende a Capitã Marvel e a prende a ele também, completando assim sua tarefa de roubar o DNA de cada Vingador. 

A Capitã Marvel consegue escapar, mas ao fazê-lo, a cuba de soro que já foi criada a partir dos clones dos Vingadores explode e encharca Carol completamente da cabeça aos pés. 

Após a exposição, a Capitã Marvel se transforma em um amálgama repugnante de cada Vingador de maneira verdadeiramente grotesca.

Forma ainda mais poderosa da Capitã Marvel

No entanto, enquanto ela parece monstruosa, a Capitã Marvel insanamente se torna ainda mais poderosa e usa essa mutação recém-descoberta para derrotar Vox Supreme, prendendo-o em uma gaiola de sua própria criação.

A Capitã Marvel ganha o tamanho e a força da Mulher-Hulk, a agilidade do Capitão América e a capacidade de levantar o Mjolnir sem realmente ser digna. 

Embora isso pareça incrível, Carol também tem o rosto de Tony Stark crescendo em seu ombro e sua mente é perturbada pelo barulho de todas as mentes deles consolidadas na dela. 

Esta forma lhe concede grande poder, mas o custo é muito alto e ela rapidamente queima o veneno de seu sistema e retorna à sua forma original depois que Vox Supreme é derrotado. 

Então, embora tenha durado pouco e tenha sido bastante nojento, a Capitã Marvel realmente se tornou a Vingadora suprema.

Sobre o autor

Victor Carvalho

Victor Carvalho

Membro do Observatório do Cinema desde 2018, gosto tanto de escrever sobre as coisas que assisto quanto de assisti-las. Nas horas vagas, também encontro algum tempo para ler DC e Marvel, ser terrível nos games e de sofrer torcendo para o Botafogo.

Publicidade