Mais do que você gosta.

Publicidade

Contém spoilers

The Witcher: O que é a Conjunção destacada na série da Netflix

Evento cósmico mudou para sempre o mundo de Geralt, Ciri e Yennefer

Publicado por Alexandre Guglielmelli

21/12/2021 08:30

Já disponível na Netflix, a 2ª temporada de The Witcher traz grandes reviravoltas e revela informações importantes sobre o universo da série. Um conceito bastante interessante – introduzido no primeiro ano e trabalhado com mais profundidade nos novos episódios – é o da Conjunção das Esferas. Para quem ficou confuso com os detalhes do cataclismo, o site Polygon explica tudo sobre o evento; confira abaixo.

Os personagens de The Witcher têm um entendimento vago da Conjunção, mas a principal crença afirma que o evento aconteceu quando outros mundos – chamados de Esferas de Existência – se colidiram, o que permitiu a chegada de monstros e outras criaturas ao mundo humano.

Continua depois da publicidade

Também foi pela Conjunção que a magia – ou o Caos – passou a existir, oferecendo aos humanos o poder para se tornarem magos. Sem o evento, o universo de The Witcher seria bem mais mundano.

Embora a existência da conjunção seja um consenso entre todos os personagens, os eventos relacionados ao cataclismo continuam envoltos em mistérios.

Entenda a Conjunção das Esferas em The Witcher

Ninguém sabe exatamente se os humanos chegaram ao Continente vindos de outras partes do mundo ou se foram trazidos ao universo com a Conjunção das Esferas.

“A Dama do Lago”, o último livro da saga Witcher, sugere que os humanos fugiram de um mundo destruído por eles – e dada a natureza destrutiva da raça, não é difícil imaginar que essa suposição seja verdadeira.

Os Elfos (ou Aen Seidhe) também chegaram com a Conjunção. Mas essas criaturas têm uma cultura e uma civilização que precede as mais antigas estruturas dos humanos.

Os gnomos e duendes do Continente, por sua vez, são mais velhos que as duas raças.

A base do derivado “Blood Origin”, desenvolvido atualmente, é o mundo élfico de outrora.

Enquanto algumas entidades chegaram ao Continente na Conjunção, outras decidiram aventurar-se em mundos diferentes.

Alguns elfos – os Aen Elle – deixaram o universo original para viver em um lugar de independência e tranquilidade.

Essa raça élfica se enxerga como “o último bastião da cultura intocada pela crueldade humana”.

Os Aen Elle conseguiam se mover livremente entre os mundos antes do rasgo cósmico causado pela Conjunção – evento que prendeu as criaturas em um único local.

É a partir desses elfos que surge a Caçada Selvagem, que aparece no continente como presenças e espectros que sequestram e escravizam humanos.

Traços da Conjunção existem no mundo de The Witcher na Netflix na forma de monolitos, estruturas impenetráveis de pedra negra que servem como condutores para a energia cósmica.

O mago Istredd tem nessas estruturas o foco de seu estudo, e chega até mesmo a servir ao Império Nilfgaard para acessá-las – mesmo sem entender o alcance total de seus poderes.

As pesquisas de Istredd têm tudo para revelar mais detalhes importantes sobre os monolitos, suas funções e o que eles significam para o futuro do Continente.

A 2ª temporada de The Witcher já está disponível na Netflix.

Publicidade