Mais do que você gosta.

Publicidade

Remake

Por que o Professor de La Casa de Papel: Coreia parece tão familiar

A nova versão de La Casa de Papel chegou na Netflix

Publicado por Victor Carvalho

27/06/2022 21:30

A Netflix lançou oficialmente La Casa de Papel: Coreia, o remake de La Casa de Papel. Desta vez, quem assume o papel de Professor é Yoo Ji-tae, em vez de Álvaro Morte.

O principal nome do elenco talvez seja Park Hae-soo, que esteve em Round 6 e, aqui, interpreta o personagem Berlim.

Continua depois da publicidade

No entanto, o intérprete do Professor também pode ser estranhamente familiar para algumas pessoas. Isso porque Yoo Ji-tae esteve em uma produção da Coreia do Sul que é considerada um clássico moderno do cinema.

A produção é Oldboy, de 2003. Pesadíssimo, o longa-metragem conta a história de um homem que é mantido em cativeiro por anos, sem nenhuma explicação.

Também de maneira inexplicável, ele é liberado para voltar a ter contato com o mundo externo. No entanto, descobre que é acusado pelo assassinato de sua própria esposa, e embarca em uma jornada de vingança.

Vilão marcante do cinema da Coreia do Sul

Yoo Ji-tae não é o protagonista de Oldboy. Em vez disso, o ator de La Casa de Papel: Coreia interpreta Lee Woo-jin, um dos mais terríveis vilões do cinema moderno.

Como descobrimos, o vilão também está em uma jornada de vingança pessoal, mas comentar qualquer coisa além disso seria dar spoiler da trama.

Assim como o Professor de La Casa de Papel: Coreia, Lee Woo-jin também é o cérebro por trás de um elaborado esquema.

No entanto, as suas intenções são muito mais perturbadoras e diabólicas. É ver para crer: Lee Woo-jin é o tipo de vilão que fica na cabeça do espectador por muito tempo.

Após a sua participação em Oldboy, Yoo Ji-tae ganhou grande reconhecimento na Coreia do Sul e esteve em produções como Quando Meu Amor Floresce, O Curandeiro e Mad Dog – Cachorro Louco.

La Casa de Papel: Coreia está agora disponível pela Netflix.

Sobre o autor

Victor Carvalho

Victor Carvalho

Membro do Observatório do Cinema desde 2018, gosto tanto de escrever sobre as coisas que assisto quanto de assisti-las. Nas horas vagas, também encontro algum tempo para ler DC e Marvel, ser terrível nos games e de sofrer torcendo para o Botafogo.

Publicidade