10 mortes em séries que deixaram os fãs furiosos

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nem sempre os showrunners acertam quando escolhem esse ou aquele personagem para bater as botas na mais recente temporada da sua série favorita, não é mesmo?

As 10 maiores mortes em séries de 2017

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O sentimento não é só seu, já que houve algumas mortes no mundo das séries que enfureceram literalmente todo mundo. Confira 10 delas:

Lexa em The 100

LEXA (The 100) | A morte da poderosa líder de tribo na trama fantasiosa da CW causou revolta sem precedentes graças ao seu status como favorita da comunidade LGBT, que reclamou da tendência repetitiva de matar personagens lésbicas pouco após a consumação de seus desejos sexuais. Espectadores em massa deixaram The 100 para trás após essa decisão.

WASH (Firefly) | O diretor e roteirista Joss Whedon não é um estranho à revolta dos fãs – ele encarou críticas quando assumiu Vingadores e Liga da Justiça, por exemplo. Em Firefly, sua cultuada ficção científica de apenas 1 temporada, a polêmica veio com o filme produzido para finalizá-la, Serenity. Nele, o personagem de Alan Tudyk morre inesperadamente no terceiro ato, deixando os fãs furiosos.

ADRIANA (Família Soprano)  | Fãs ficaram abismados quando a série deu um fim à adorável personagem de Drea de Matteo, uma das preferidas dos espectadores. Pior ainda é a brutalidade de sua morte, em que o amante Christopher a trai quando descobre que ela se juntou ao programa de proteção de testemunhas a fim de entregar Tony Soprano para a polícia. Fãs estão de coração quebrado até hoje.

SHIREEN (Game of Thrones) | A epítome da criticada quinta temporada de Game of Thrones foi essa morte chocante, em que o inclemente Stannis atende às ordens da feiticeira Melisandre e mata a própria filha, a Princesa Shireen, na fogueira, como um sacrifício “puro” ao Deus da Luz. O destino brutal de Stannis pouco depois, todos devem concordar, foi merecido.

JOYCE (Buffy) | De novo Joss Whedon com uma morte repentina que pegou de surpresa e enfureceu os fãs – após quase uma temporada toda doente, a mãe de Buffy, Joyce, parecia curada. No entanto, no episódio “The Body”, a filha encontra Joyce já inconsciente e sem vida no sofá de casa, dando o pontapé inicial em um episódio que passeia pelos ciclos do luto com habilidade.

RITA (Dexter) | No episódio final da quarta temporada, o protagonista finalmente consegue matar seu nêmesis, o Trinity Killer, mas não sem consequências – chegando em casa, ele descobre que o serial killer fez da sua esposa, Rita, a sua última vítima. Ele encontra o filho Harrison chorando uma poça de sangue da própria mãe, em cena que, para muitos fãs, foi o começo da queda de qualidade da série.

LANE (Mad Men) | O personagem do excelente Jared Harris virou querido do público com o passar das temporadas, e quando ele resolveu roubar dinheiro da agência ao se ver afundado em dívidas, muita gente pressentiu que o pior estava por vir. Quando Don (Jon Hamm) descobre a falcatrua, demite Lane – o que o leva a cometer suicídio em uma das cenas mais chocantes de toda a série.

DEREK (Grey’s Anatomy) | O amado “McDreamy” dos fãs de Grey’s Anatomy não sobreviveu a um acidente de carro medonho armado pela criadora e roteirista Shonda Rhimes, e muitos espectadores usaram o Twitter para expressar seu descontentamento com a morte do personagem. Segundo eles, não era a primeira vez que Rhimes matava um favorito dos fãs, e essa havia sido “a gota d’água”.

JAX (Sons of Anarchy) | O episódio final da série do criador Kurt Sutter mostrou o protagonista “colocando suas coisas em ordem” para, bem no finalzinho, cometer suicídio. Sendo perseguido em sua moto pela polícia, ele se atirou na frente de um caminhão em um final icônico, mas polêmico – muitos fãs achavam que Jax merecia uma morte mais “gloriosa”, e outros acharam pouco característico do personagem cometer suicídio.

CHARLIE  (Lost) | Dominic Monaghan interpretava o ex-rockstar viciado em heroína da série da ABC, que passou por um arco de redenção e se tornou uma figura paterna para Aaron, o recém-nascido filho de Claire (Emilie De Ravin). No final da terceira temporada, Charlie se sacrificou para salvar Desmond e permitir que os outros buscassem ajuda – uma das mortes que mais enfureceram fãs durante os anos 2000.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio